Follow by Email

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

ALICE CAYMMI - HERANÇA QUE MOTIVA



Por Pedro Paulo Rosa
Foto: Divulgação 

Alice Caymmi começa seus passos na música desde cedo, mas é agora que o impulso do palco a chamou. A música, companheira de Alice desde o útero, encheu a moça de beleza. A beleza dos Caymmi. Dorival, seu avô, Danilo, seu pai. 
Alice não tem medo do sobrenome nem da construção musical impecavelmente peculiar de sua família. Pelo contrário, assume com tranquilidade e lucidez essa herança que motiva. A cantora separou um pedaço de seu tempo para conversar com O HÉLIO.  

O HÉLIO: De que maneira  a música foi entrando e se consolidando na sua escolha profissional?
ALICE CAYMMI: A música sempre esteve presente na minha vida. A única coisa que mudou foi a idéia da arte como profissão. Sempre cantei e componho desde menina, mas me considerei artista após a idade adulta.

O Hélio: O que mais te emociona no seu trabalho musical?
ALICE: Eu não me emociono comigo mesma porque o que eu faço eu faço por mim mas para os outros.

O Hélio: Fala mais dele para O HÉLIO
ALICE: Eu lancei o meu primeiro disco há poucos meses e sinto que as consequências dele estão sendo muito boas. Espero que um trabalho autoral possa consolidar a minha personalidade aos olhos do público.

O Hélio: A sua herança musical familiar interfere/interferiu na sua produção musical, ou na maneira pela qual você se apresenta em público?
ALICE: Interferiu das duas formas. Mas, por mais que eles sejam a minha referência de origem eles pouco participam da minha vida prática na arte. Ninguém interveio no meu disco nem nas minhas composições.

O Hélio: Como a música te motiva?
ALICE: Ela é a maneira que eu encontrei de me colocar no mundo. Não imagino viver sem a arte. A minha necessidade de me expressar transcende qualquer prioridade.

O Hélio: Qual canção da família que você mais gosta de interpretar?
ALICE: Sargaço Mar, do meu avô (Dorival Caymmi).

O Hélio: Está procurando alguma marca para o seu trabalho ou acha que já a encontrou?
ALICE: Eu encontrei uma marca para este trabalho "Alice Caymmi". Os outros já são outra historia...

O HÉLIO: A internet é sua parceira? Ajuda a divulgar?
ALICE: Sim, mas não é tudo. Às vezes, o mundo virtual pode enganar a gente. Mas conto com ele quase sempre.

Alice Caymmi e Danilo Caymmi estarão juntos no palco do Teatro Rival Petrobras, na Cinelândia (Centro, Rio de Janeiro), no dia três de janeiro, às 19 h 30.


Alice cantando a música "Sargaço Mar", cuja autoria é de seu avô, Dorival Caymmi
http://youtu.be/Ouu1rwq1lVc 

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

SIMONE SPOLADORE e LUCAS GOUVÊA: "A ARTE EXISTE PORQUE A VIDA NÃO BASTA"




Por Pedro Paulo Rosa 
Foto: Divulgação 

As aspas do poeta Ferreira Gullar esboçam o profundo amor dos atores Lucas Gouvêa e Simone Spoladore pelas artes. No momento, os dois estiveram juntos na peça “Depois da Queda”, escrita pelo célebre Arthur Miller. Os dois separaram um tempo de suas corridas agendas antes da penúltima apresentação no teatro Gláucio Gil (Copacabana, Rio de Janeiro) para conversarem com O HÉLIO.


O HÉLIO: Como é interpretar um papel que foi de Paulo Autran, 48 anos depois, Lucas?

LUCAS GOUVÊA: (risos) Procurei não pensar nisso. Acho que o teatro tem uma coisa ótima, porque é a arte do efêmero. Acabou, desmontou cenário. Só fica mesmo na memória de quem viu. Já é um peso muito grande um texto dessa envergadura do Arthur Miller. E a enorme dificuldade, porque é uma peça de quase três horas. Trazer para mim o pensamento desse meu personagem (o Quentin) já é um peso enorme. Claro que de vez em quando esse pensamento me volta. É uma honra suceder o Autran. Sabe, algumas pessoas da montagem original da peça disseram que vinham. E aí comecei a pensar mais nisso. Aí, eu tive um pesadelo com o Paulo Autran! (risos). Na véspera da estreia, sonhei que o Paulo estava na plateia me assistindo. Depois eu saía, ele me encontrava e arrasava comigo! Certamente o Autran veio no meu sonho para nos dar sorte.

O Hélio: Você repetiu a palavra peso algumas vezes. Qual seria o peso deste texto do Miller, Depois da Queda?

LUCAS: Bom, acho um peso tanto quanto um Nelson Rodrigues, um Shakespeare. Pela qualidade mesmo da escrita. Não é à toa que o texto é montado até hoje. Ele fala de uma realidade norte-americana e toda a questão da Crise de 29, e também do marcatismo. Mas, ao mesmo tempo em que Miller fala de seu país, os EUA, ele fala do mundo, dos homens. De questões humanas vividas por muitos de nós. Como Nelson Rodrigues fala sobre o Brasil, mas é universal. Acho que esse é o peso. Conseguir transcender o micro.

O Hélio: Notou muita raiva no texto?

LUCAS: Não, não... até que não. Se bem que, às vezes sim, mas essa não é a tônica. Ele faz uma grande viagem por todas as coisas que ocorreram na vida dele e faz uma escrita belíssima disso. Tiveram pessoas, por exemplo, em Nova York, que chegaram a dizer que Miller estava, com essa obra, depreciando a imagem da Marilyn (Monroe). Penso que isso não é verdade. É uma declaração de amor, sobretudo uma obra contra a hipocrisia.

O Hélio: Lucas, o que seria a “queda”? Seria a morte de Marilyn Monroe, a morte da relação de Miller e Monroe, a morte dele enquanto homem?...

LUCAS: São várias mortes, viu, Pedro. A queda é a morte dela, é a morte da ideologia dele certamente. São várias mortes. Essas mortes que a gente vai carregando ao longo das nossas vidas. Acho que todo mundo nessa faixa dos 40 anos, tende a fazer uma revisão da vida.

O Hélio: Como é que você sente esse texto psicologicamente? Acha que Miller analisa o passado de uma maneira rígida ou mais indulgente consigo próprio?

LUCAS: É como se Arthur Miller abrisse o peito dele. Tenho a sensação muito clara...acho que ele escreveu isso numa sentada. Acho que ele sentou numa madrugada, depois que a Marilyn morreu, e escreveu isso. O texto tem essa virulência. Não foi uma coisa muito burilada. É pungente, verdadeiro. Tento colocar dessa maneira no palco. Essa coisa de ficar três horas sem cena e não sair em nenhum minuto, acho isso importante. É importante ele estar ali, vendo a sua memória sendo projetada. E, como ator, acho que é um espetáculo que não tem refresco. Para que ele ocorra em toda a sua potencia. Entrou em cena, fudeu. Acho que o espetáculo tem que acontecer dessa forma, como num vômito.

O Hélio: Como você compôs esse personagem? Me fala do processo anterior, dos ensaios
LUCAS: Então, um texto desse tamanho, fizemos um trabalho de mesa (leituras coletivas) e procurei ler muita coisa do Arthur Miller. Li peças dele, romance, fiz uma pesquisa sobre a vida dele. Tentei trazer esse personagem para mim. Então, quais são os pontos em comum com a minha vida. Eu também tenho quase 40 anos. Eu também estou no meu terceiro casamento. Quando resolvi me casar pela terceira vez, também fiz uma retrospectiva da minha vida. Terceiro casamento exige reflexão pra caramba. O mais bacana mesmo foi o elenco. Lidar com amigos. Lidar com gente.
O Hélio: Simone, o que você acha que o teatro ainda tem pra dizer? O que acha que a arte, de modo geral, ainda precisa tocar?
SIMONE SPOLADORE: Não sei... acho que a gente fica fazendo isso pra tentar entender essa pergunta. Acho que ninguém tem essa resposta. A gente tem necessidade de pensar sobre as coisas. Na verdade, a gente está vivo e a gente quer pensar. Embora talvez tudo já tenha sido dito.



O Hélio: Qual é a potência de atualidade que tem esse texto do Miller, que data de 1964?
SIMONE: É um texto potente na medida em que caminha para o lado humano. O humano não envelhece, não tem época, não tem lugar. É uma peça americana. Mas, Miller consegue atingir a todos. Em seus medos, angústias...o que é certo para um é errado para o outro.
O Hélio: Falem um pouco dessa relação que seus personagens, a Maggie e o Quentin, no caso, Marilyn e Miller, tentam viver.
SIMONE: (risos) É, acho que eles tentaram. Eles se apaixonaram. Acho que eles tiveram um grande sonho de amor, um castelo fantástico que se desmoronou. Todo mundo vive isso no amor em algum momento da vida.
LUCAS: Toda essa questão da diferença e do glamour da fama influencia muito. Ele e ela eram pessoas muito diferentes, e de culturas também muito diferentes. Então, eles foram engolidos pela máquina da exposição. E é difícil para o amor sobreviver nisso. Acho triste, como toda história de amor que não dá certo.
O Hélio: Como é que é para você fazer a Marilyn Monroe?
SIMONE: É uma responsabilidade, sim. Todo personagem exige isso. Por outro lado, você tem que se libertar dessa responsabilidade. É necessário se livrar do ideal e ir para o real. Imagina se a pessoa vai ficar pensando nas outras milhares de personagens e espetáculos que ela poderia fazer? Isso seria uma prisão. Então, precisamos pensar na quantidade de grana que temos para o espetáculo, por exemplo. De tempo e por aí vai. Além de tudo, um ator não pode se dedicar em apenas um projeto, porque as contas precisam ser pagas. Tem que fazer novela junto, como é o meu caso. Sabe? Eu estou no Brasil, como é que não vou pensar nisso?
O Hélio: Você se sente pressionada?
SIMONE: É claro que é uma pressão fazer a Marilyn. Mas, isso me dá mais prazer do que pressão.
O Hélio: Qual a intencionalidade dessa peça para vocês?
SIMONE: Além de tudo o que o Lucas apontou antes, o Miller também fala muito sobre a questão do destino americano do sucesso esplêndido, sabe? E vai mostrando o quanto isso é ilusório. A Marilyn é famosa, rica, bela, mas não é feliz na verdade. A impressão que eu tenho é de que ela não se aceita. Esse texto meio que destrói esse mito do sonho americano. Agora, a Marilyn é um mito, é uma coisa maravilhosa. E ninguém vai ser igual a ela. Impossível.
O Hélio: O que vocês falam para jovens que querem ser ator e olham para vocês e se emocionam?
LUCAS: No primeiro momento, fico bem apavorado. Dar aula de teatro é uma responsabilidade tremenda. Despertar essa chama é muito sutil e dá muito trabalho. Mas, a vida é assim: difícil. O importante é ter o brilho no olhar e o esforço.
SIMONE: Tem que ler, ler teatro, ler poesia, ler literatura. Estudar. A nossa profissão hoje em dia é muito vulgarizada. É preciso ter uma visão crítica das coisas, senão a gente acaba caindo num lugar comum do lugar da celebridade. E ser um ator ou uma atriz, é ser outra coisa. 
Agradecimentos: Victor Nalin